domingo, 7 de setembro de 2008

Antes da festa

- Amor, to indo pra uma festa com meus amigos.
- Ah, tudo bem. Pra onde vocês vão?
- Pro Bali Hai.
- Porto Belo ou Piçarras?
- Porto Belo.
- Ah, que pena. Vou com as minhas amigas pro de Piçarras.
- Como assim?
- Então, as meninas tão combinando de fazer um esquenta na casa do Claudinho, ali em Penha, depois vai todo mundo pro Bali Hai.
- Ah, não, né! Não vais pro Bali Hai sozinha. Nem pensar!
- Oras. Por quê?
- Não é ambiente pra mulher que namora ir sozinha. Sei lá.
- Mas tu vais sozinho numa boa?
- Ah, amor. É diferente. Pra homem é diferente.
- ...
- Os caras não respeitam as gurias se o namorado não tiver junto.
- E as gurias respeitam?
- Ah. É diferente. Se o cara ficar sossegado na dele não vem mulher atrás, com vocês é diferente, os caras vão pra cima mesmo.
- Mas e daí? É só dar um fora bem dado e pronto!
- Tenho medo que você goste de alguém.
- Como assim? Eu te amo. Não existe essa possibilidade. Já aconteceu contigo, é?
- Não, não. Nada a ver. Só bebo com os guris e ajudo eles a conversar com as gurias quando precisam de ajuda, mas não rola nada.
- E se uma hora você gostar de uma delas?
- Ah! Sem chance. Eu te amo!
- Então ta tudo tranqüilo. Vamos cada um com seus amigos e depois nos encontramos pro almoço de domingo lá na casa dos meus pais. O que achas?
- Não, não. Você não vai sozinha pro Bali Hai.
- ...
- Espera. Não me deixa falando sozinho.
- Não dá de conversar. Você só pensa em você.
- Pelo contrário. To pensando no nosso relacionamento. Como é que eu vou ficar sossegado lá em Porto Belo sabendo que tais sendo assediada por uma multidão lá em Piçarras?
- Viu. Eu, eu, eu e eu. Em nenhum momento pensasses em nós, só em ti.
- Ta. Então faz o que tu queres. Eu tenho que ir porque os guris já tão me esperando pro esquenta.
- Certo. Nos encontramos amanhã pro almoço?
- Fechado. Te ligo quando acordar.
Os dois se beijam e saem para lados opostos. Ele liga para um amigo:
- Cara. Maravilha! Hoje vou solteiro.
Ela liga para uma amiga.
- To saindo de casa já. Só não sei se vou com vocês depois do esquenta.

9 comentários:

fabioricardo disse...

textos em diálogos são muito bons. Gostei do final e tbm da hipocrisia do cara, que é a mais pura realidade dos relacionamentos.

Medéia disse...

Um texto tão real que poderia realmente ter acontecido.
Parabéns!

Félix B. Rosumek disse...

gosto quando há mudanças, mesmo que pequenas, nos estereótipos. o conto teria sido normal se não mostrasse no final que não tem "mocinho" e "bandido" nessa, os dois são pilantras e tinham razões para ficarem desconfiados. ganhou pontos com isso.

Rodrigo Oliveira disse...

Aqui, ao contrário do texto do Fábio, a revelação do final foi importante pra trama. O peso da história se ancora nessa revelação. E somos todos podres...

Vivi Bastos disse...

Gostei da linha estamos quites...o diálogo possui ritmo. Um componente que aprecio bastante em um texto. Parabéns pela abordagem.

Cassiane Schmidt disse...

Adorei, o texto retratou de maneira clara a postura da mulher nos relacionamentos amorosos, a maneira como ela reage a opinião do namorado! Já os homens, esses ah!, sem comentários.

Ótimo texto!

Anônimo disse...

Não entendi, se ela avisa as amigas pois encontrará um amante oculto, ou se deu pra trás e resolveu ficar em casa....

Luana disse...

Sim, consegui materializar a cena na minha frente, e adivinha quem era a personagem feminina? É, eu.
Sempre assim, ele, depois de acabar com a noite dela, vai pra festa e ela vai pra casa com a cara inchada.
Aproveito pra dizer que ameeei esse blog. Sempre visitarei depois de escrever no meu cantinho de pensamentos e sentimentos, Simples Assim.
Parabéns meesmo!

Anônimo disse...

Acho que ela vai encontrar um amante no final... que pilantragem