domingo, 6 de janeiro de 2008

Conto de Fadas. Sem Fadas.

Félix B. Rosumek

06/01/08


Era uma vez, o Lobo, Senhor da Floresta, Flagelo dos Homens. Perverso e inteligente, esperava na trilha pela próxima vítima. Logo ela apareceu, cantarolante, mechas loiras escapando pelo capuz vermelho. O Lobo esperou ela chegar perto e postou-se, imponente e assustador, diante da pequena. Começou a falar "Olá, menininha... Para onde v..." "TARADO!!!". No próximo momento estava no chão se contorcendo, com a pimenta ardendo nos olhos. A menina sumiu de vista.

Puto da vida, correu por atalhos que só ele conhecia até chegar no chalé. Entrou furtivamente e logo encontrou a doce velhinha fazendo crochê. Atacou-a com selvageria, mas a velhinha revidou. Gemendo de prazer, berrou que há muito esperava por aquilo. Arrancou o vestido, revelando uma lingerie preta caindo aos pedaços cobrindo o corpo octogenário. O Lobo arregalou os olhos e tentou fugir, mas a velha o agarrou com força renovada. Desesperado, o Lobo catou um vaso e estilhaçou na cabeça da velha. Tinha planejado um petisco antes do prato principal, mas só a visão da calcinha preta enterrada entre as nádegas da Vovó já lhe dava náuseas. Colocou o corpo desmaiado no armário, disfarçou-se e esperou pela jovem na cama. Quando ela chegou, mal ele teve tempo de dizer "Olá, minha netin..." para ouvir "TARADO!!! LADRÃO!!!" e estar tendo convulsões no chão, após a descarga do aparelho de choque. Chapeuzinho chutava o Lobo no chão, e a Vovó saiu do armário implorando para a netinha deixar o Lobo para ela. Foi salvo pela chegada do Guarda Florestal, indignado com o que estava acontecendo. Falou que aquele era um Canis lupus¸espécie protegida por lei na floresta, e que elas deveriam responder pelos seus atos na justiça. No berreiro que se seguiu, o Lobo se arrastou para longe da confusão.

Com olhos ardendo, corpo tremendo, coberto de contusões e ainda com fome, percebeu que estava perto das terras dos trigêmeos. Lambendo as feridas, chegou na primeira casa, de palha. Recuperou a pose e falou que se o dono não saísse, ele iria arrebentar tudo com as próprias mãos. Para sua surpresa, a porta se abriu. O Lobo imediatamente perdeu a fome diante da visão daquele porco decrépito. Este informou que sofria de Chagas, já que as paredes do casebre estavam cheias de barbeiros. Ofereceu-se para o Lobo, falando que ele até faria um favor o comendo, pois ele já não agüentava mais conviver com seu fecaloma. O Lobo correu para longe, estômago embrulhado.

Esperou passar as náuseas e foi para a outra casa, de madeira. Foi atendido por uma porca com sete porquinhos magricelas e com barrigas salientes. Ela informou que seu marido morrera de cólera há um ano, e que seria ótimo o Lobo levar alguns de seus filhotes por um preço módico, tendo assim menos bocas para alimentar. O Lobo recusou veementemente e rumou para a outra casa.

Logo deparou-se com uma mansão no topo da colina, cercada de altos muros e com um guarda na porta. Se aproximou do guarda que, Uzi na mão, cumprimentou o Sr. Lobo com um sorriso. O Lobo perguntou o que era tudo aquilo, e o guarda respondeu que o Sr. Prático havia ganhado muito dinheiro com uma nova invenção bélica e construíra aquela mansão. Ou melhor, tomara caipirinha na piscina enquanto os pedreiros construíam. Qual a invenção, o Lobo perguntou, curioso. Algo como um novo sistema de lançamento de mísseis, respondeu o guarda. Fora usado por João para devastar o castelo do Gigante. Sem esperanças de conseguir nada ali, o Lobo foi embora.

Frustrado e morto de fome, caminhou pelas Terras Encantadas, até um tiro estourar sua cabeça. O Lobo morreu na hora, e Pedro vangloriou-se pela sua caça. Quando ia pegar seu prêmio, o Guarda Florestal pegou-o em flagrante e deu a ordem de prisão. Sem se abalar, Pedro deu uma "cervejinha" para o Guarda e tudo ficou resolvido. Hoje o Lobo decora o chão da sala do velho Pedro, onde ele conta para os netos histórias dos tempos em que as lendárias florestas e lobos ainda existiam. Ou melhor, conta para o neto mais novo, pois o mais velho prefere jogar Need For Speed e Guitar Player no Playstation. E todos viveram felizes para sempre. Menos o Lobo, que morreu. E triste. Fim.

5 comentários:

Fábio Ricardo disse...

hahaha
Pedroé o mais pnc... a historia dele jah começa como caçador... fazer o q...

Félix B. Rosumek disse...

moral da história: ?

Thiago Floriano disse...

isso me lembrou o clipe de GREEN JELLY - THREE LITTLE PIGS... ahhaha... mto bom...

Flávia disse...

Ou, muito bom!! Quase morri de rir!

Rodrigo Oliveira disse...

ahahaha eu SABIA que ia pintar um desses eheheheh