quinta-feira, 13 de março de 2008

Morre Maira Maíra

Maira Maíra morreu. Morte matada: matou-se. Mastigou mato maligno, minguou muda. Motivo? Mágoas mil, mas mágoa maior marcou-lhe Milton. Marido malandro, mentiroso. Mimava Márcia, morena matreira. Magra, madeixas marrons, mamas maravilhosas, maiô minúsculo. Mulher maravilha, mesmo. Maira Maíra, muda murchava. Mantinha mente mansa, mas mordia-se maltratada, moral minada, magoada. Melhor morrer, meditava.

Media métodos. Mutilação metia-lhe medo. Machucava muito. Mirava morte mais melancólica, menos moderna. Mítica, misteriosa. Mais marcante. Merecia melhor mortalha. Maquiou-se, meteu meias macias, malha marfim, melhores miçangas. Marchou.

Mediu meia milha marcando mata. Mãos miúdas mexiam moitas. Manipulavam morte. Mato mortal Maira Maíra mordeu. Mastigou mais. Movia molares mastigando morte. Menta maligna matava Maira. Maira morria.

Morreu, Maira Maíra.

7 comentários:

Thiago Floriano disse...

só pelo título já sabia de quem era o texto...
melhor mesmo foi que conseguiu contar a história (bem contada) só usando as palavras começadas em M... tarefa árdua!

Cassiane Schmidt disse...

Oi,

Hum...tarefa nada fácil, mas conseguistes contemplar muito bem o tema com os "m"...
Abraço

Cris Costa disse...

Rodrigo...
Surpreendente!!! Fiquei sem fôlego.
Parabéns.
Bjs

Vivi disse...

Esse jogo de palavras dispensa comentários. Sensacional!!!

Ana Paula disse...

achei ótimo, Rodrigo! Parabéns! =)

Fábio Ricardo disse...

caraca. desumano.

Tuco Egg disse...

Minha mãe. Morte mordaz. Maravilha!

Parabéns.