sábado, 8 de março de 2008

Votação

Votação aberta com um certo atraso, mas está valendo até amanhã (10/03).

8 comentários:

Viccari disse...

Voto no texto "A última viagem", de Fábio Ricardo.
Para mim, aquele que conseguiu abordar de forma mais "original" a metáfora retratada em quatro dos cinco textos.

Thiago Floriano disse...

meu voto vai pro fábio também...

Fábio Ricardo disse...

Achei que o texto da Marina foi o mais adequado ao tema. Ela realmente escreveu sobr euma viagem de trem, todos os outros buscaram manipular o tema para reflexões mais profundas. Inicialmente iria votar nela por causa disso, mas relendo os textos vi como o Félix e o Rodrigo conseguiram explorar a viagem de uma forma também muito interessante.

Meu voto vai para o Rodrigo, por ter abordado toda a vida durante a viagem. Conseguiu usar da melhor forma a comparação entre vida e a viagem.

Rodrigo Oliveira disse...

Concordo com o Fábio em quase tudo. Gostei bastante do texto do Félix (fica computado meu voto pra ele).Curti tb o texto da Marina por um motivo bem específico: a mudança de estilo. Como o nosso objetivo é o exercício e experimentação, tentar novas abordagens sempre dá um gás novo (e surpreende o leitor). Talvez sejam as más influências =)

Félix B. Rosumek disse...

meu voto fica para a marina. não, não só por ter um psicopata doente, mas principalmente por aquilo que o rodrigo falou.

Vivi disse...

Eu voto em "Dormentes" de Rodrigo Oliveira. Gostei da metáfora e, especialmente, do ritmo conferido ao texto.

Cris Costa disse...

Parabéns a todos os Duelistas, os textos estavam maravilhosos. Depois de ler e reler, meu voto vai para o Rodrigo - "Dormentes".

Marina Melz disse...

meu voto vai pro fábio - ahá, eu sou justa. o texto dele merece toda a bajulação que recebeu. uma mescla interessante de jornalismo e literatura.

(quanto a mudança de estilo, caros cavalheiros, isso é só uma breve demonstração do lado negro da força que existe em mim. vem mais por aí U-AH-HA-HA-HA-HA!)

adoro participar disso aqui e tenho cada vez mais orgulho dos textos que saem.