sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A foda e o amor (ou melhor, O amor e a foda)

- Fala, gatinha.
- Ai, amiga, preciso te contar uma coisa. Ontem conheci um gato. Lindo, inteligente, gente boa. Dei pra ele, e o melhor! Ele é bom de cama. Até rolou um eu te amo. 
- Olha, que legal. Mas qual é a ordem exata dos acontecimentos?
- Como assim?
- Primeiro vocês foram pra cama ou primeiro ele disse que te amava?
- Hm, acho que primeiro ele disse que me amava.
- Desculpa, amiga, mas ele só queria te comer.
- Ai, Sô! Não fala assim. 
- Pelo menos ele te comeu direitinho?
- Tu ficou maluca?
- Claro que não. Se ele te comeu direitinho, com carinho e respeito, ótimo. Valeu a frase. 
- Como assim? E se ele me amasse mesmo?
- Ô, minha flor. Já tens mais de 30, né? Então me responde numa boa: tu tava se fazendo de difícil antes das três palavrinhas, não tava?
- Ah, sabe, né? Não gosto muito de dar de primeira, mas é que ele foi tão fofo.
- Ju! Tu já passou dos trintinha. Não vale dar pra um cara só porque ele disse que te amava. Dá antes dele dizer pra não sofrer depois!
- Tá, Sô! Mas se ele me amar de verdade? Eu senti um clima tão gostoso entre nós. Vai que é amor a primeira vista?
- A primeira foda...
- A primeira vista. Ah, quer saber, vou desligar que ele deve estar querendo me ligar pra me convidar pra um cinema bacana e tô aqui perdendo meu tempo contigo.
- Ah, ele não ligou ainda? 
- Não ligou mas vai ligar, tá?! Tenho cer-te-za.
- Eu também. Afinal de contas, ele te ama e quer ter uma casa com cerca branca e flores na janela contigo. Ele chegou a comentar sobre a cor do sofá?
- Tu é um invejosa mal comida. Ele me ama e vai me ligar daqui a pouco, tu vai ver.
- Claro, baby, só esperar. 
- Arght. Tchau, Sô. A gente se fala o dia que estiveres um pouco mais romântica.
- Tchau, gatinha. Qualquer coisa me lig...

Sofia desligou o telefone e caiu na gargalhada. Sabia que elas se falariam de novo quando a amiga percebesse que ele não ia ligar.

7 comentários:

Marina Melz disse...

Texto influenciado na cara dura pela Poliana Paiva. A cineasta que faz muito sucesso aqui pelo Sul.

fabioricardo disse...

e boooota sucesso nisso. vou falar pra ela ler aqui..

Julia disse...

Há! Conheço a Poliana e me lembrei dela na hora..

Muito bom!

Félix B. Rosumek disse...

já vi um estudo acadêmico que demonstrava que os homens tem uma tendência maior que as mulheres a se mostrar apaixonados e dizer coisas antes da primeira vez. depois, eles tem tendência maior a perder o interesse, enquanto as mulheres tendem a ficar apaixonadas.

é o nosso mundo cão! ou melhor, mamífero! ;)

bom texto, marina!

Jéssica disse...

Booooooooa marina! adorei

JLM disse...

Oi Melz (sobrenome chique é assim: mistura o doce e o tecnológico (onda hacker))

Miniconto interessante, bem leve e com um bom ritmo. Mas como sou chato chatíssimo, gosto de apontar os pontos q poderiam ser melhorados, ou ao menos, olhados mais de perto.

Quando Ju diz "Até rolou um eu te amo." a impressão é mais descontraída dq séria, ou seja, ela gostou mas não deu tanta importância. Mas no decorrer do texto vc revela outra coisa: apesar de todos os indícios apontarem apenas para uma transa casual, Ju fantasia com algo mais. Apesar de ser uma boa crítica aos relacionamentos modernos, talvez uma maneira diferente de revelar o "eu te amo" e uma idade mais condizente para a inexperiência dela caracterizassem a personagem com mais verossimilhança.

Outra coisa, num texto tão curto, vc mencionou 2x a idade de Ju, oq não acho necessário. Uma vez só já deu pra perceber a msg.

Não sei se é pq sou de GO (perto de MG) mas usar Sô sem dizer no começo o nome da moça me soou como se fosse sô de regionalismo. Se vc colocasse o nome dela inteiro na primeira fala, essa impressão desapareceria.

E um detalhe gramatical, ficaria melhor usar os dois-pontos ao invés de exclamação em "Dei pra ele, e o melhor! Ele é bom de cama."

1 abraço

Poliana Paiva disse...

Valeu, Marina, tô aqui só me achando...rs