terça-feira, 7 de abril de 2009

Amoral

Félix e Louise entraram no hospital, irradiando sorrisos. Há pouco tempo haviam descoberto que seus planos tinham se concretizado e, em breve, um novo alguém ia intrometer-se entre dois. Aquilo era motivo de muita alegria, mas naquele dia havia uma pequena ponta de tensão. Era o dia em que veriam os resultados dos exames preliminares de viabilidade, o que nunca deixava de ser um certo motivo de preocupação para futuros pais, mesmo que as chances de que algo estivesse errado fossem sempre muito remotas.

Uma hora depois, os dois saíam das portas com uma sombra no rosto.

No veículo, a caminho de casa, ficaram algum tempo em silêncio. Foi Louise quem falou primeiro.

- Fale...

- O que, querida?

- O que você está sentindo.

Ele parou por um instante para pensar. Era maravilhoso que pudessem saber dessas coisas tão cedo, é claro, antes que as coisas ficassem mais difíceis. Mas nem por isso se tornava motivo de puro alívio.

- Bem... É decepcionante, não?

- Sim.

- O que você está sentindo? Deve ser pior para você...

- Um pouco. Sabe, acho que a mulher sente mais essas coisas... Afinal, ele está dentro de mim...

- E então?

Foi a vez dela fazer uma pausa. Mas respondeu:

- Devemos fazer, é claro.

- Eu acho que sim. É o melhor caminho.

- Eu também penso. Mas não é comigo que eu me preocupo mais...

- Sim, eu sei. Eu não deveria ter contado para ela antes.

- Vai ser difícil, Félix.

Sua expressão ficou dura. Era um momento de conflito que ele antecipava há tempo...

- ... mas é algo que eu devo enfrentar - completou o pensamento voz alta.

* * *

Era o Dia das Nações e ele estava sozinho no trem que se dirigia para a casa da família, no sudoeste da União Européia. Os tempos mudavam, e junto com ele os feriados, mas não a mania das pessoas de juntar os parentes nessas ocasiões. Ele ainda não tinha contado nada e teria que continuar omitindo os fatos. Dizer antes só teria quebrado a harmonia da reunião, então ele preferia deixar para o dia seguinte. Mas não teria como escapar das perguntas, todos já deveria estar sabendo.

Desceu na estação litorânea, observando o plácido tapete azul do Mediterrâneo ao final da tarde. Um alienígena que pousasse na terra jamais imaginaria que aquela beleza na verdade representasse um abismo que cada vez mais se afundava. Do outro lado, um mundo assustador para o europeu comum. Lá, as fronteiras inexistiam não por mútuo acordo, mas por incessantes guerras civis e ascensão de líderes fanáticos. Não haviam progredido um único centímetro no último século, os coitados. Félix se lembrou de sua infância, nos anos 20, e de como o mundo todo se regozijou com a cura para o, na época temível, HIV. Poucos teriam antecipado as conseqüências que um tratamento barato e eficiente contra a doença traria ao continente africano... Apenas os poucos iluminados que desde o século XX profetizavam os efeitos nefastos do crescimento populacional.

Ele alugou uma bicicleta na estação e se afastou do centro urbano, adentrando em uma das regiões mais bucólicas da moderna União. Começou a subir as colinas como o auxílio do pequeno gerador elétrico, que transformava toda a pressão de seus pés nos pedais em impulso. Ali, naqueles montes costeiros, sua família ainda mantinha a antiga propriedade herdada há gerações. Não havia mais muito espaço no país para grandes propriedades, mas, no quesito produção, seus pais não eram tradicionalistas. Isso permitia a eles manter um bom pedaço de chão com a produção maximizada pela moderna tecnologia agrícola. Ele se lembrava de como as terras haviam mudado nos últimos tempos, e seu velho pai garantia que era ainda muito menos eficiente em sua época de jovem.

"Se eles tivessem a cabeça aberta para outras coisas além de técnicas de plantio, eu não precisaria estar tão preocupado agora".

Quando chegou, uma boa quantidade de primos, tios e sobrinhos já infestava a casa. Família tradicionalista, família imensa, era a conseqüência. Ao estacionar a bicicleta e se aproximar, viu como todos o olharam de um modo diferente, com sorrisos abertos, e pensou: "ok, lá vamos nós...".

Abraços, beijos e apertos de mão. E as frases. Sim, as frases clássicas. "Ah, querido, parabéns! Que, lindo!" (tias e primas), "finalmente, o mais novo pai da família!" (tios sóbrios), "como anda Louise? Bem como sempre, não é? Aproveite agora que daqui a pouco a barriga começa a aparecer!" (tios bêbados e os primos), "vai virar papai, tio?" (até os sobrinhos!). E ele, todo sorrisos amarelos e respostas curtas. Como era bom não ter mais tanta intimidade, nessas horas... Era mais fácil disfarçar.

Até que apareceu sua mãe.

- Meu amor, seja bem vindo à sua casa! Que saudades de um abraço de filho!

Ela sempre colocava ênfase no "sua", como se não fosse há vinte anos que ele tivesse se mudado.

- Oi, mãe, muito bom te ver também...

Ela percebeu imediatamente. Parou o abraço e olhou-o nos olhos.

- O que foi, filho?

"Maldita mulher perceptiva", ele resmungou mentalmente.

- Não é nada, mãe. Só estou cansado da viagem.

- É alguma coisa com a Louise?

Não conseguiu responder imediatamente. Aos olhos de sua mãe, era quase como se ele tivesse gritado "sim!".

- O que foi, querido, você pode me dizer...

- Mãe, por favor, vamos conversar sobre isso depois? É um dia de festa e eu quero apenas aproveitar com o pessoal, tudo bem?

- Meu filho, é algo tão ruim assim? Vocês brigaram? Deve estar passando um monte de coisas na cabeça de vocês desde que souberam...

- Mãe, depois, ok?

Ela silenciou. Ele viu que ela estava queimando por dentro para saber, mas também não ia estragar a festa. Afastaram-se e ele foi cumprimentar seu pai, que o recebeu de forma efusivamente embriagada. Depois pegou uma cerveja e foi cumprimentar os primos que fumavam cigarro misto do lado de fora da casa. Pelo menos eles iriam falar algumas besteiras e depois mudar para outros assuntos, em vez de ficar batendo na tecla da gravidez.

Durante o resto da festa ele tentou ficar descontraído, conseguindo até (como a ajuda de alguns tragos do cigarro misto). Mas toda vez que cruzava os olhos com a mãe, via sua expressão preocupada, e isso lhe irritava. Em vez de tentar relaxar também, ela estava enchendo sua cabeça de possibilidades e especulações. E ele sabia que era a mãe que lhe preocupava, não o que havia acontecido. Ela havia esperado tanto tempo por algo que tanto queria... Aceitaria agora o que estava por vir?

A reunião familiar adentrou a noite. Conforme as horas avançavam, os parentes que moravam perto foram se retirando, os que moravam longe subindo para os quartos de hóspedes. E ele ficou com os primos até tarde, mesmo cansado, esperando propositalmente a mãe dormir antes de se retirar.

Mas, no outro dia, não teve como escapar.

Ela veio no seu quarto enquanto ele ainda dormia, lhe chamando delicadamente com beijos e abraços. Ele sorriu de volta, preguiçoso, e foi lentamente acordando. Ela perguntou como andavam as coisas no trabalho, na cidade. Ele respondeu que tudo bem, contou algumas novidades. Ficaram um tempo numa espécie de impasse: ambos falando banalidades, a mãe querendo tocar no assunto, ele relutante em abordá-lo. Até que ela falou sem maiores delongas.

- Então, filho, como está a Louise nesse começo de gravidez?

- Ah, mãe, é algo meio esquisito, sabe? Vou te dizer que nós dois estávamos realmente querendo isso agora, mas não deixa de ser um pouco estranho...

- Sempre é assim, querido. Um filho é algo que muda toda a nossa visão do mundo.

- Nem fale...

Ele se calou. Ela esperou ele falar algo.

- E tudo bem por aqui na terrinha?

"Droga, estou fugindo de novo. Por que as mães ainda conseguem intimidar os filhos, mesmo depois de quase quarenta anos?".

- Tudo bem... A vidinha de sempre, mas uma vidinha boa.

- Que bom!

Nova pausa.

- E vocês, filho, como estão um com o outro?

"Dane-se".

- Mãe, não tem nada a ver com a Louise, se é isso que você está pensando.

- Então me diga, filho! Eu consigo saber direitinho que há alguma coisa te incomodando muito. E não imagino nada além de alguma coisa com Louise para te deixar assim...

- É com a gravidez.

Momento de tensão.

- Qual o problema?

- Os exames preliminares... Os de viabilidade. Nós fizemos.

Inconscientemente, a mãe levou a mão ao pequeno amuleto no pescoço. Ele olhou de relance para o crucifixo, antes de declarar.

- Os resultados mostraram que ele é defeituoso.

A face da mãe se transformou. Sua tensão virou uma expressão de pura e profunda tristeza, carregada de pena e com uma ponta de decepção. Sim, ele conseguia ler sua mãe tão bem quanto ela o lia. E logo após o primeiro impacto, a consciência do que estava por vir começou a ficar evidente.

- Não tem possibilidade dos exames estarem errados?

- Por favor, né, mãe? Nós não os fizemos em alguma clínica da América do Sul.

- Que tipo de problema é?

- É defeito em alguns genes. Os exames detectaram produção inadequada de algumas proteínas. O prognóstico é de significativos defeitos mentais.

- Defeitos mentais... Mas ele é... viável, não?

Agora estavam chegando ao ponto delicado.

- Viável em que sentido, mãe?

- Ele pode nascer... crescer... viver, como toda pessoa, não é?

- Mãe, eu sei o que você está pensando. Mas nós não vamos fazer isso.

- Como?

- Eu e Louise temos isso muito claro. Essa gravidez não pode continuar.

- Como não? O que você está pensando, Félix?

Ela havia aumentado o tom de voz e usado seu nome. A sua desconfiança havia se tornado certeza. Incrível como ele podia prever essas reações, mas ainda assim não conseguia entender. Era algo tão pequeno diante de um mundo tão grande... Claro, ninguém torcia para acontecer. Mas vários amigos já tinham passado pela situação, que era cada vez mais rara com o passar do tempo. Era algo que podia ser resolvido, por que não se preocupar com coisas mais complicadas?

Mas ele sabia. Sua mãe ainda se prendia a códigos de ética ultrapassados. Uma minoria na União, mas que ainda fervilhava em algumas regiões do mundo. Aos seus ouvidos, era como se ele tivesse dito que estava planejando matar alguém.

- Mãe, nós já discutimos sobre isso... Eu nunca pensei que fosse acontecer comigo, mas é a vida. E você sabe muito bem a minha opinião. Louise pensa do mesmo modo.

- Vocês já pensaram que é uma vida que está crescendo na barriga daquela mulher?! E que nenhuma vida deve ser eliminada sem razão?!

- Mãe, se acalme... Não é uma coisa de outro mundo, as pessoas fazem isso sempre. É só por isso que esses casos são cada vez mais raros...

- Não me interessa o que os outros fazem! Se todos fazem errado, isso não justifica que você faça também!

Ela estava falando cada ver mais alto. E aquilo começava a enervá-lo.

- Não estamos fazendo nada proibido, nem prejudicando a ninguém...

- Como não? Vocês estão matando uma pessoa!

- Aquilo não é uma pessoa!

Pronto, ele havia ficado nervoso. Não agüentara a mãe gritando e falando para ele as mesmas coisas que já haviam discutido inúmeras vezes.

Ele suspirou e tentou retomar o tom sereno.

- Mãe, eu sei que você pensa diferente, mas eu sei, e todo mundo sabe, que não existe espaço para um defeituoso no mundo em que vivemos. Nunca teve, só que na sua época as coisas ainda não pareciam ser tão difíceis quanto são hoje. Eu sei que você estava louca por um neto, mas não é esse o filho que eu quero ter.

- Não é você quem escolhe o filho que vai ter... - ela estava lamentando, quase chorando.

- Eu sei que você pensa diferente, mas eu não vou prejudicar a minha vida pelo que você pensa. Eu sei que você sempre quis um neto, e você o terá em breve, sem dúvida... Mas não será esse tipo de neto.

Ela tentou falar em um tom mais baixo, suplicante.

- Meu filho, eu peço que você me ouça, pelo menos uma vez... Não se feche para o que eu vou falar... Eu sei que você não acredita, mas tem coisas aí que não podem ser compreendidas... Você deve senti-las... E eu te peço, meu filho... E para Louise também... Dêem uma chance para essa criança... Uma hora vocês vão sentir ela se movendo, chutando barrigas, e verão que sim, ela está viva... E que, não importa que tenha aquilo que os outros chamem de defeitos, ela será única... O produto do amor de duas pessoas... Ela é um pedaço de vocês dois, com o tempo vocês verão...

- Isso não vai acontecer, mãe.

- Por que, meu filho?

- Porque nós já interrompemos.

Houve uma longa pausa, enquanto ela absorvia aquela informação.

- ... já...?

- Sim, no dia seguinte aos exames. O médico nos deu o remédio e já foi tudo resolvido.

- Vocês... nem pensaram... a respeito?

- Para que, mãe? Não tem muito o que pensar. Para que dar continuidade a um problema, se hoje já temos como resolvê-lo tão facilmente?

- ...

As lágrimas surgiram nos olhos da mãe. Ela se ergueu, tentando ainda não perder o controle. Falou em um tom falsamente resignado.

- Tudo bem... Se vocês acham que era o melhor para vocês... O que eu posso dizer?..

E saiu do quarto.

Mas ele lia a última frase de um modo claro.

"Meu filho é um assassino".

Droga, era isso que ele queria evitar. Não tinha o menor problema com aquilo, mas sabia que sua relação com a mãe havia se alterado para sempre. Ela nunca mais o veria do mesmo modo, sabendo que ele era capaz daquilo que ela considerava uma atrocidade. Porém, não fazia sentido para ele sacrificar uma parte tão grande da sua vida por conta de outra pessoa. Ademais, quem era mais assassino? Não era pior quem tirava do mundo a vaga de alguém que poderia ter uma existência plena? Os habitantes daquela parte do mundo já haviam aprendido a lição: sacrifícios tinham que ser feitos. Em um mundo saturado, não havia espaço de sobra para sustentar a todos.

Arrumou suas coisas rapidamente e saiu sem se despedir de ninguém. Desceu as colinas, chegando na estação, onde o trem elétrico ainda estava sendo carregado para a próxima viagem. Devolveu a bicicleta, pegando sua caução de volta. Pegou um lugar na janela, observando o mar e as terras além. Não pode sentir mais do que raiva daquelas antigas morais que haviam contribuído para deixar o mundo tão caótico, e ainda proliferavam nas periferias do mundo. Um dia, talvez, eles achariam seu próprio caminho. Até lá, era melhor que ficassem lá, e ele aqui. Ilhas de riqueza e de pobreza, sem mais laços de falso altruísmo a ligá-las, assim como não existiam mais laços a ligar pais descontentes a algumas células problemáticas. Era esse o mundo que estava se formando e era o que lhe dava esperanças de um futuro melhor. Um mundo que admitia sua realidade, seu egoísmo e, assim, quem sabe, se tornava muito mais humano.

6 comentários:

Félix B. Rosumek disse...

Antes que me pergunte, esse Félix não sou eu e essa não é minha mãe... São personagens, colagens de pessoas reais com coisas imaginárias.

O conto novamente é novamente mais baseado em reflexão que ação. É o tipo de coisa que tenho escrito ultimamente.

E o futuro, onde está? Em tudo. É um conto moralmente futurístico. Tem umas firulas ecotecnológicas. E mostra uma das minhas visões do futuro: sem nenhuma grande revolução, sem grandes mudanças, apenas a sempre lenta marcha da história a aumentar tensões e modificar as coisas aos poucos.

Mas pode ser que estoure uma terceira guerra mundial de uma hora para outra, vai saber... ;)

Thiago Floriano disse...

é o Félix cada vez mais saindo da simples insanidade textual para um patamar mais elevado de discussão moral... o texto tem uma levada boa mesmo sendo extenso... isso é bom!

Marina Melz disse...

me surpreendeu pelo estilo. um novo félix ao mesmo tempo que com o velho estilo. gostei - mesmo que estivesse esperando um final surpreendente, mas acabei só com o cinematográfico. bonito, bonito.

Rodrigo Oliveira disse...

gostei. era mais ou menos esse o caminho q pretendia ter ido. deveria ter começado antes, pra desenvolver melhor. já vc conseguiu. um lance meio O Príncipe na forma de ver o mundo. Um retrofuturo, talvez?

Fábio Ricardo disse...

gostei das discussões. só nao as vejo como um assunto do futuro. e sim do presente.

小彬彬Bing disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,a片,AV女優,聊天室,情色