terça-feira, 26 de maio de 2009

Ame, sofra, viva.

Tem gente que diz que só os relacionamentos doces valem a pena. Outros, que só se consegue sentir o amargo. Eu prefiro dizer que todos os relacionamentos valem a pena. Por mais doces ou amargos que eles sejam.

Não importam sofrimentos, de nada vale temer o futuro. O flutuar é agora. O desmontar com um sorriso, também. Temer o futuro pra quê? Se por mais que você se segure, você sabe que uma hora vai cair? Você pode cair logo nos primeiros dias, braços abertos e vento no rosto, ou pode se segurar, espernear e dizer que não quer se apaixonar. Mas uma hora você vai escorregar e cair do mesmo jeito. A única decisão é como você pretende apreciar a queda.

A queda sempre é queda. É você quem escolhe aproveitar os segundos de queda-livre ou tentar prever a dor. Amar sem medo ou sofrer por antecipação. Se for para sofrer, sofra. Você vai sofrer de qualquer jeito, esteja certo disso. Todo relacionamento traz sofrimentos consigo. Seja pelo medo de se entregar, seja por se entregar demais. Quem não sofre, não ama.

Quando o momento de sofrer chegar, você vai sorrir. Amarelo, tímido, infeliz. Mas se você realmente tiver vivido o momento de tirar os pés do chão, você vai sorrir.

Você pode passar anos sofrendo para no final ficar feliz. Ou você pode ficar feliz por anos, e no final sofrer. Tanto faz. É certo que você vai sofrer. E também é certo que você vai ser feliz. A felicidade precisa do sofrimento para existir, ou então você não saberia que ela é felicidade. Então aproveite e sofra. Afinal, você vai ser muito feliz.

Aproveite cada beijo como se fosse o último, sinta cada abraço como se fosse só o começo e sorria por um sorriso. Sinta o agridoce da vida oscilando na sua boca e no seu peito. Se você fizer isso, não importa o quanto foi amado, ou por quanto tempo. O que importa é que você se entregou, se apaixonou, flutuou. O que importa é que você se entregou. E não há sensação no mundo melhor do que a de se entregar a uma paixão.

Você sempre pode escolher entre fugir e se entregar. Não seja covarde. Se entregue a cada nova possibilidade. Fique cego, surdo. Voe, esqueça o chão. Perca o juízo, a fome, o sono. Perca a consciência. Se perca. Se perca pra se encontrar.

Se encontre.



(escrito em parceria com Marina Melz em março de 2009)

5 comentários:

Marina Melz disse...

auto-ajuda sentimental por amigos em época de esperança.

Rodrigo Oliveira disse...

isso q dá deixar duas menininhas escreverem um texto juntas.

JLM disse...

Se amar
Só te faz sofrer
O remédio é beber
O remédio é beber

Pra curar sua paixão
Beba pinga com limão
Pra curar sua amargura
Beba pinga sem mistura

Quem dá amor e não recebe
Mistura todas e bebe
E se alguém lhe faz sofrer
Beba para esquecer

Pra curar seu sofrimento
Beba pinga com fermento
Pra curar um falso amor
Beba pinga com licor

Pra acalmar se coração
Beba até cair no chão
E se a vida não tem graça
Encha a cara de cachaça

Pra viver sempre feliz
Beba pinga com raiz
E se você não tem sorte
Beba pinga até a morte

(ambiente afetando a sanidade do comentário, q ñ nasceu no interior de goiás e nem gosta de sertanejo)

§Polli§ disse...

Me lembrou um pouco aquele vídeo do sunscreen, mas gostei bastante de como essa realidade foi trabalhada. Priorizar sentir dor ou sentir-se feliz na maior parte do tempo é uma decisão nossa.

Félix B. Rosumek disse...

Não curto esse tom de auto ajuda. Ficou brega demais para o meu gosto. Eu curto gothic, mas não sertanejo, digamos assim. :)