quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Cotidiano

1929
- Não é a coisa mais linda que você já viu?
- Com certeza! Jamais uma criança me pareceu tão linda! (Será que ela não vê que ele tem cara de joelho como todos os outros bebês que acabaram de nascer?) 

1934
- Mãe, mãe, olha meu desenho!
- Nossa filho, que bonito! (Esse é o milésimo desenho igual que ele faz, será que ele tem problemas psicológicos?) 

1942
- Você um dia fica comigo?
- Claro, só acho que não é o momento de estarmos juntos. (Idiota, você é feia e gorda, jamais vou ter coragem de andar na rua com você!) 

1947
- Desculpa, mas eu acho que é o melhor a fazer.
- Eu nunca vou amar ninguém como amei você. (Mas aquela sua amiga é bem gostosa. Vou chorar minhas mágoas pra ela!) 

1952
- Você sabe que ser médico é desapegar-se completamente dos bens materiais para salvar vidas, não é?
- Com certeza. A vida em primeiro lugar. (Por isso vou cobrar caríssimo as minhas consultas: minha vida em primeiro lugar!) 

1955
- Você aceita Tereza como sua esposa, amando-a a respeitando-a todos os dias de sua vida?
- Sim. (Desde que ela não comece a escolher minhas secretárias e nem a mexer nas minhas coisas) 

1965
- Olha, meu amor, nosso bebê!
- Juro, é a coisa mais linda que eu já vi! (Tem a mesma cara de todos os bebês que eu já tirei de barrigas....) 

1974
- Meus pêsames. Você sabe que eu gostava muito do seu pai.
- Obrigado, sei sim. (Enquanto você roubava dinheiro dele era fácil gostar, seu filho-da-puta!) 

1979
- Pai, vou casar.
- Parabéns, filha! Você gosta mesmo dele? (Ele tem dinheiro para te manter e ainda me sustentar no futuro?)

1982
- Olhe lá, coitadinha. Precisamos rezar por ela.
- Fique tranqüila, ela vai sair dessa. Eu tenho fé. (Você ainda não percebeu que ela está morrendo?) 

1988
- Fique tranqüilo, você vai sair dessa. Tenho fé.
- Obrigado. Sei exatamente o que você quer dizer.

5 comentários:

Rodrigo Oliveira disse...

Confesso q não me conquistopu de cara, mas o final arrebatou.

Félix B. Rosumek disse...

as duas últimas seções e a falta de parênteses na frase final foram certamente os destaques do texto. muito boa a sacada!

no restante, eu acho que mostrou os pensamentos cínicos mais usuais (do ponto de vista tela quente-sessão da tarde) em cada situação. entretanto, aí acho que reside o problema: o cinismo é muito mais complicado e os pensamentos são mais complexos que esses pensamentos usuais. talvez isso seja birra de filósofo, mas foi a impressão que eu tive.

Félix B. Rosumek disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivi Bastos disse...

Eu gostei da perspectiva. Das relações (mais ou menos coerentes)de subordinação, de interdependência, de apreensão que suportam o sentido do cinismo. E o final realmente impacta.

Beijos
Vivi

Lori e Elisandra disse...

Muito bom......parabéns......seu cinismo esta muito realista.....bjus Elis