sexta-feira, 25 de setembro de 2009

dissonante. (ou dissoneto)

estrangeirismos nacionais
nacionalidade de guerra
estranho no ninho do país onde nasceu.

grito brasileiro
no peito o nome inglês
no hay banda deve ser uma banda qualquer.

peregrino do mundo
(cidadão universal)
defensor da bandeira
não importa a cor é carnaval.

forasteiro
vindo de algum trem ou não
é brasileiro.
ou finge que não sabe, ou finge querer ser.

4 comentários:

Marina Melz disse...

dissoneto porque não tem métrica nem rima. eu sei o que é um soneto, tá? :)

Rodrigo Oliveira disse...

no hay banda! \o/

Rodrigo Oliveira disse...

sei lá. acho que não vingou muito. Curti a mudança de direção. Bem difenrete do que vc costuma fazer. Arriscou e isso é bacana. Umas pitadas de engenheiros, não? talvez a forma poderia ser melhor trabalhada. Mesmo a falta de métrica pede uma certa... hã... métrica, talvez? Sei lá, o ritmo me pareceu quebrado (ainda que as vezes a ruptura seja interessante, essa ruptura tem que ser mto bem encaixada pra surtir o melhor efeito)Ainda assim, tudo isso pode ser bobagem, já que o lance era ser dissonante. sei lá. deixo os outros decidirem.

Félix B. Rosumek disse...

O conteúdo foi legal, gostei da idéia.

A construção ficou devendo um pouco. Falta alguma conectividade aí. Métrica e rima são coisas que dão esse senso de unidade para o poema (embora eu também não tenha paciência com a primeira, então fico só na tosqueira da segunda).

Quando eu li, fiquei pensando que seria fenomenal se um (dis)soneto inverso como esse fizesse sentido também quando lido ao contrário...